Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Você está em: Página inicial > Notícias > AMAZONLOG: Começa em Tabatinga (AM) maior exercício de logística humanitária do Brasil
Início do conteúdo da página

AMAZONLOG: Começa em Tabatinga (AM) maior exercício de logística humanitária do Brasil

Publicado em Quarta, 08 Novembro 2017 17:00 | Última atualização em Quinta, 09 Novembro 2017 17:37

Brasília, 08/11/2017 – Começou nesta terça-feira (7), em Tabatinga (AM), na tríplice fronteira entre Brasil, Peru e Colômbia, o AMAZONLOG17, Exercício Multinacional Interagências de Logística Humanitária, inédito na América do Sul, com a presença de quase dois mil participantes.

Para marcar o início das atividades, foi realizada uma formatura militar no Aeroporto Internacional de Tabatinga (AM). O evento reuniu todos os participantes do Brasil, Colômbia, Peru e Estados Unidos, além de observadores militares de 22 nações amigas, integrantes de agências governamentais brasileiras, estrangeiras e representantes de empresas de material de emprego militar de uso dual (civil-militar).

Fotos: divulgação Exército Brasileiro

O comandante Logístico do Exército Brasileiro, general Guilherme Theophilo de Oliveira, presidiu a formatura, que contou com tradução em espanhol e inglês. Durante as boas-vindas, o general Theophilo, que é o comandante do Exercício, homenageou os militares brasileiros, colombianos e peruanos com brados característicos de tropas desses países que atuam no ambiente amazônico: “Selva”, “Lanceros” e “Comando”, respectivamente.

Como forma de simbolizar o espírito de sinergia e de trabalho em grupo, que caracterizam a atividade, durante a formatura, os oficiais mais antigos de cada país presente, além de representantes de agências envolvidas, foram agraciados com o gorro do AMAZONLOG17.

A formatura também foi marcada pela participação, por videoconferência transmitida ao vivo, do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, diretamente de Brasília (DF). O general Villas Bôas cumprimentou os participantes do AMAZONLOG17 e enfatizou a importância do exercício logístico para “atuação em um ambiente tão repleto de desafios, como a Amazônia”.

AMAZONLOG17

Conduzido pelo Comando Logístico do Exército, o AMAZONLOG17 ocorre até 13 de novembro, na região da tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru, em uma Base Logística Multinacional Integrada, em Tabatinga (AM).

Durante o simpósio internacional de logística humanitária, em outubro último, etapa preparatória ao Exercício, o general Theophilo comentou que o evento irá proporcionar uma série de melhorias na logística da Amazônia Ocidental, que abrange os estados de Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima.

“Nós estamos trabalhando na melhoria dos órgãos provedores, esses são os tangíveis que vão ficar, e temos toda uma doutrina que nós estamos desenvolvendo de ajuda humanitária, de intercâmbio entre as nações vizinhas e da interoperabilidade entre as Forças Armadas e as agências civis”, disse o general sobre os resultados esperados com o exercício.

Preocupação com o Meio Ambiente

A preservação do meio ambiente e as ações de sustentabilidade também fazem parte do esforço militar durante o maior Exercício de Logística do Brasil. Os resíduos sólidos e efluentes que serão gerados durante as atividades do AmazonLog serão o foco de técnica de tratamento natural desenvolvida pelo Exército Brasileiro.

Para evitar que o esgoto seja lançado diretamente na natureza, já que não há rede de tratamento no local, o Exército usará remediadores compostos por bactérias específicas (lagoa facultativa) e realizará a gestão dos efluentes produzidos.

Com essa técnica natural, a degradação da carga orgânica acontece por meio da ação de bactérias que, expostas ao sol, aceleram o processo de transformação dos agentes poluidores, tornando possível lançar os resíduos na natureza sem causar danos ao meio ambiente.

Depois de tratado, o líquido inerte será lançado em um córrego intermitente próximo ao local, deixando, no fundo, um adubo que será reaproveitado na recuperação de áreas degradadas, inclusive na própria região, tornando-se um legado para a região amazônica.

Por major Sylvia Martins

Com informações do Exército Brasileiro

Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério da Defesa
61 3312-4071

 

Fim do conteúdo da página