Acessibilidade Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Página Principal > Notícias > Primeira unidade do Sistema de Monitoramento de Fronteiras entra em funcionamento no Mato Grosso do Sul
Início do conteúdo da página

Primeira unidade do Sistema de Monitoramento de Fronteiras entra em funcionamento no Mato Grosso do Sul

Publicado: Quinta, 13 de Novembro de 2014, 17h20

 

Brasília, 13/11/2014 – Localizada no município de Dourados, no Mato Grosso do Sul, a primeira unidade do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron) entrou em atividade nesta quinta-feira. A ferramenta é um dos principais projetos estratégicos do Exército e tem como objetivo fortalecer a presença e a capacidade de ação do Estado na faixa de fronteira, auxiliando as forças policiais a combater ilícitos como tráfico de drogas, roubos e contrabando.

Para isso, o sistema fará uso de equipamentos tecnológicos de ponta, como radares e outros meios de sensoriamento, que serão aplicados ao longo dos 16,8 mil quilômetros da fronteira nacional. Isso equivale a um monitoramento de aproximadamente 27% do território do país, abrangendo os Comandos Militares da Amazônia, do Norte, do Oeste e do Sul.

Nesta quinta-feira, na 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, local onde foi implantado o projeto-piloto do sistema, foi feita uma demonstração de como essa primeira unidade funcionará na prática, com posto de bloqueio e controle de estradas, e o acompanhamento de todas essas atividades em tempo real. A Brigada, subordinada ao Comando Militar do Oeste, tem atuação desdobrada na faixa de fronteira com o Paraguai, abrangendo um espaço de cerca de 600 km do Mato Grosso do Sul.

Orçado em R$ 12 bilhões, o Sisfron fortalecerá a atuação do Exército na faixa de fronteira e ajudará a promover maior interação entre as Forças Armadas e órgãos de segurança pública e inteligência. Além disso, por envolver a indústria nacional de defesa desde a sua concepção, o projeto impulsiona a capacitação tecnológica e o domínio de conhecimentos considerados indispensáveis à defesa do país. Estima-se que, nos próximos anos, serão gerados cerca 1 mil empregos diretos e 4 mil indiretos com a instalação do novo sistema.

Foto: Jorge Cardoso
Assessoria de Comunicação
Ministério da Defesa
61 3312-4071

Fim do conteúdo da página